Capítulo 3 - A separação - Haskel

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Capítulo 3 - A separação - Haskel

Mensagem por leonirisos em Dom Abr 24, 2016 10:42 pm

Haskel, Yulia e Szon voltaram para a ECG, o mesmo percurso, as mesmas coisas. A capital é uma máquina. Provavelmente, no ano seguinte, no mesmo dia e no mesmo horário, as mesmas pessoas estariam fazendo as mesmas coisas. Mas é assim que as máquinas funciona, certo? Quando chegaram na ECG, alguns alunos já estavam lá e se separaram, cada um pro seu quarto.
O quarto de Haskel estava vazio, eram aproximadamente 15:00 e ele teria algumas horas até a manhã seguinte.
"Droga..... Medo de dormir...... Covarde.... Vai seu covarde..."  Ele fica pensando enquanto começa a guardar as próprias coisas, logo se senta na beirada da cama e fica cantarolando uma canção nortenha mesmo que bem baixo. Iria descansar um pouco na cama, estava com muito sono devido ao seus pesadelos constantes enquanto pegava um papel e uma caneta para anotar oque iria pesquisar mais tarde.
— Que porra é essa? Você tá bem? Indagou o garoto, que abriu a porta violentamente.
— PANYA!!!!! Droga........  Olhando para as minhas próprias mãos, enquanto limpava algumas lágrimas levemente, voltava a sua postura mais firme e enquanto levantava ele dizia. — Pesadelos...... Desculpa....
Olhando para o homem que havia aberto a porta ele vai colocando a blusa enquanto vai andando até a porta indo tomar um ar, ele estava muito nervoso devido ao
Haskel sentia—se fraco, impotente, e as imagens ainda se misturavam com a realidade. O garoto falou algo, que Haskel não conseguiu entender. Alguns segundos andando e ele conseguiu sair dos dormitórios. Estava de noite, a maioria das portas fechadas e não havia ninguém no pátio.
Haskel exausto de tudo isso, vai andando ofegante até o pátio enquanto mantia a mão direita repousada sobre a própria coxa. Vai se sentando em baixo de uma das arvores, logo olha para os céus, apos alguns minutos observando o patio vai seguindo até a cozinha para beber algo, sempre olhando em volta e atencioso. " Tão.... estranho.... vou ter que me amarrar e me amordaçar para não acordar ninguém... quer vida.. "
As luzes estavam todas acesas, mas os corredores vazios. Um relógio no corredor dizia que era 21:15. Haskel havia dormido bastante. Quando chegou na cozinha, ouviu algumas vozes femininas, e barulhos de coisas sendo fechadas.
Ele vai apenas se aproximando enquanto tenta usar sua concentração para tentar escutar tais vozes, pura fofocada que sempre fez por morar em um ninho de cobras praticamente, vai se aproximando calmamente da cozinha.
" Oque aquele cara tinha falado para min? Esta tudo tão vazio.. estranho... "
Eram três cozinheiras, provavelmente, estavam falando sobre o cardápio do dia seguinte e sobre os novos alunos.
Ele apenas continua o proprio caminho, vai para a cozinha para pegar o chá que havia levado para a ECG, tentando não parecer um intruso ou um belo de um filho de uma mulher da vida. Sempre em sua postura normal, porem todo suado ele pensava em tomar um banho apos beber um pouco do chá.
Quando chegou ao local onde poderia, de fato, ver as cozinheiras, viu que duas estavam na parte de fora da cozinha e uma terceira acabara de fechar a porta. — O que precisa, garoto? Indagou uma das cozinheiras.
— Vocês teriam um chá ou algo do tipo? Problemas com insônia... Ele fala enquanto olha para a cozinheira que havia falado, retribuindo apenas com um sorriso simpático que sempre fazia quando esta constrangido.
— Garoto, nós já fechamos. Infelizmente não temos nada... É melhor você ir para a enfermaria, e logo. Os dormitórios fecharão em breve. Nós te mostramos o caminho, se quiser. As cozinheiras então foram na direção da saída, onde Haskel estava.
— Relaxa... esta tudo bem então.. Desculpe—me pelo inconveniente. Ele fala enquanto da um sorriso, se virando ele logo começa a andar pelos corredores da ECG um pouco até chegar perto do horário dos dormitórios fecharem então ele logo voltaria para o quarto dele.
Haskel provavelmente fora o último a entrar no dormitório aquele dia. As luzes estavam apagadas e poucas portas abertas. A porta do quarto de Haskel estava fechada, também. Quando o garoto encostou na maçaneta, ouviu, da direção do quarto uma voz feminina, chamando—o pelo nome. — Haskel, meu amor. dizia a voz. A voz era de sua amada.
— Panya?!  Ele fala enquanto abre a porta e da um grande passo para frente enquanto logo olhava para frente, ele mesmo sem observar nada ou ninguém ele fala.  — Quanto tempo..... amor...
Haskel abriu a porta, seu coração aberto para seu amor. Era impossível de encontrá—la ali, naquela situação, mas lá estava ela: a escuridão. Ao abrir a porta a única coisa que esperar por Haskel era a escuridão e seus amigos. A solidão, a distância e o desespero. Todos eles, um a um, foram encobrindo o corpo de Haskel, que perdeu suas gotas de felicidade instantaneamente. Sentiu seu corpo cair numa escuridão sem fim. Caiu. Caiu. Caiu. Não possuía forças para movimentar um músculo sequer. Tudo estava parado, fechou os olhos, mesmo a escuridão sendo a única coisa que via. Então, novamente, ouviu a voz — Haskel, meu amor. Abriu os olhos. A escuridão ainda cobria seu corpo como um manto indesejado, desnecessário. Mas seu corpo se movia, e como doía. Sentia também o cheiro do sangue... O de sua mãe? Ou de sua amada, derramado pelas mãos de seus inimigos? Sua garganta rasgava a cada tentativa de respiração.
Vendo que o que restava era a escuridão, cheiro de sangue, desonrando o tão puro sangue Hanko se mostrando um fraco e covarde. Um homem sem amigos, sem poder, sem atitude,  desonrando o sangue derramado para manter a sua família no poder, podia sentir coçando em sua garganta a vergonha e ódio de seus ancestrais. Seus inimigos haviam tirado tudo dele, deixado apenas o vazio e o ódio. ..  Tenta gritar com o resto das suas forças enquanto mordia os lábios de ódio, pensando nos seus inimigos e em oque tinha para enfrentar a frente.  — VOCÊS VÃO VER EU VOU PEGAR VOCÊS!!! DESGRAÇADOS!!!!!!
A escuridão não respondia, somente as amarras no corpo de Haskel que o prendiam em uma espécie de chão mole e escorregadio e as dores em seu corpo.
Ele fica com ódio olhando para a escuridão enquanto chorava de ódio, falava do fundo da sua alma enquanto gritava.  — ME DEVOLVAM OQUE É MEU!!! minha felicidade... meus amigos... minha dignidade... eu tomarei a força.....  Ele fala enquanto fico olhando para a escuridão começando a perder as forças notando que não passava de algo inútil.
Passos são ouvidos, provavelmente seus inimigos, dois ou três indo em direção a Haskel.
— .... morrerão igual aos três mal ditos que tentaram arrancar minha vida de min... desgraçados! Ele fica tentando se virar enquanto tomado por fúria...
Os passos tornavam—se cada vez mais próximos, Haskel sentia cada vez mais o peso da humilhação. Pouco depois, um estrondo foi ouvido, provavelmente a 3 metros de distância do garoto. Algo de madeira quase fora quebrado.
Ele continua tentando se soltar enquanto tentava se levantar, se virar para o inimigo uma ferida nas costas era uma vergonha, tentava olhar para quem iria o matar, notava que o fim estava próximo mas não tinha muito para fazer.  
As luzes acenderam, não para resgatar Haskel, mas para mostrar o quão fraco ele era. Três criaturas totalmente negras e com rostos deformados se aproximaram de Haskel, duas delas começaram a segurar os braços do garoto, que se debatia, a terceira, segurava uma adaga.
— Desgraçados!!! ME LARGUEM E EU MOSTRAREI OQUE É LUTAR COMO UM HOMEM!!  Ele Berra enquanto é segurado pelas criaturas e tenta se soltar com todas as forças.. morrendo de medo de morrer.... sua mãe é oque vem em sua mente para ele proteger... a sua família.
Haskel pode entender o rosto das criaturas assim que a que segurava a adaga se aproximou dele


Ela disse algo tão negro que os ouvidos e narizes do garoto começaram a sangrar imediatamente. Então, ele pegou a adaga e enfiou-a no pescoço do garoto. Subitamente, Haskel sentiu sua vida escapar-lhe.
Haskel sentindo sua vida se acabar ele fica olhando aquela criatura nos olhos e ele fala nos ultimos momentos de sua vida segundo a sua visão. — o f...fogo brande a minha espada... assim como em meu coração...  Ele fala o lema da sua família enquanto começa a morrer.
Enquanto sentia-se mais fraco, também pode sentir algo gelado entrar passear pelo seu corpo, através de suas veias. Talvez fosse a morte. Os três monstros deram um leve sorriso para o garoto, pouco antes dele fechar os olhos completamente.

(...)
:]-------
Viver era uma lembrança de tempos onde a esperança ainda, mesmo distante, mandava longas e dolorosas lembranças para Haskel. Sentir o ar movimentando seus cabelos, o calor de um bom dia de sol ou a simples dor das lembranças obscuras não existiam mais. Não para Haskel
- Haskel, meu amor. A voz dizia. Mas não era suficiente para que fizesse seu sangue voltar a seu corpo e dar o sopro de vida ao garoto. Não enquanto os monstros estivessem aprisionando-o.
Mas Haskel estava morto, não estava? Existe prisão na morte? Existe algo na morte? Como ele poderia ouvir, se estivesse morto? Mas a morte entrando nas veias de Haskel e parando seu coração lentamente não era ilusão. Talvez o sonho de se esconder na ECG fosse uma ilusão, mas a voz de sua amada não. Pelo menos na morte, havia uma chance de encontrar sua amada.
(...)
- Haskel, meu amor. A voz continuava, e, por certo tempo, ecoava no que havia sobrado de Haskel por longos tempos. Por certo tempo, quando a voz ia embora, Haskel a reproduzia, dolorosamente.
(...)
- Não, não adianta. Haskel dizia para si. - Não, não adianta. Diziam. - Haskel, meu amor. - Sejam bem-vindos à ECG. A morte, entrando em Haskel.
Diálogos incontáveis repetiam-se na mente do garoto. - Não meu filho, você não é homossexual... Não deixem que digam o que você é ou não é.
(...)
Talvez, ainda houvesse um caminho, Não é mesmo, meu amor? E se houver, eu o guiarei.
Haskel não sabia o que era a morte, nem tão pouco de onde vinham as vozes que ouvia. Mas sua amada ainda o chamava, e isso era o suficiente.
Os olhos de Haskel abriram-se pela primeira vez depois de anos. Apenas a neve o aguardava. O frio dos corações dos homens poderosos também estavam ali, mas, de alguma forma, podia sentir o coração de sua amada batendo mais forte.
Quando abre seus olhos ele tenta se levantar, olhando em volta, ele fica mais calmo tentando se acostumar com a morte, chama o nome de sua amada enquanto fica pensando em como morreu. — Panya? Alguém.....  Ele logo tenta andar em volta, lamentando por ter tanta coisa que ele quis fazer enquanto vivo, como sentir o ódio de Kridz... matar o seu pai....  se casar com panya... ter seus filhos.... Acostumando -se com a ideia de morrer.
O vento do norte, frio como sempre, tocou a pele de Haskel, fazendo o garoto perceber que estava vestindo roupas leves e brancas, manchadas de um vermelho rubro, provavelmente seu sangue.
Um ou dois lobos uivavam, uma lebre procurava abrigo e um peixe lutava para não ser congelado. Haskel sentia, mas era tudo tão... Distante.
Eleu começa a andar em meio a neve enquanto não liga para os barulhos ao redor ....  " eu fui assassinado e nem vi de onde veio o golpe...  Aceitarei a verdade.... me mostre a verdade.... quebrei juramentos...... matei pessoas... desejei pessoas mesmo estando 'casado'.... isso é a morte? " Ele pensa enquanto vai andando em meio a neve.
Para a felicitação de outros, e não a de Haskel, a neve é um deserto sem fim. - Mas os desertos não são de areia, professora? [/color]Perguntou Haskel, ainda criança. - Não Haskel. Um deserto é um lugar sem vida. Não há vida no deserto.
E lá estava Haskel, vagando incondicionalmente pelo deserto. Por quanto tempo? Se pelo menos ela fala... - Haskel, meu amor. Precisamos conversar. Disse a voz, a milhas e milhas de distância, muito além do que Haskel pudesse chegar um dia.
— Apareça!!! Verdade !!...... estou com saudades.......solitário...... eu olhei para o rosto daquela desgraçada que eu pretendia matar a Funa... lembrei dos seus lábios macios isso me deu tanto ódio.....  Oque esta acontecendo ..... Me de o descanso eterno!  Ele fala enquanto começa, andando pela neve olhando para cima.
Haskel viu o céu, mas não o sol - algo comum para ele. Mas, um pouco de luz poderia ser bom. - A verdade não funciona assim, Haskel. Ela não aparece para quem pede, ela aparece para quem ela quer. Meu amor.
— Oque eu fiz.... eu dou tudo que você quiser... só me de uma nova chance....... por favor....  Ele fala enquanto logo se joga no chão e fica olhando para o céu, enquanto fica com uma das mãos  no rosto secando as lágrimas.
- Para que uma nova chance, Haskel? Você sabe que eu não tenho esse poder, não sabe?
— Desgraçada..... por que você é oque me vem a cabeça...... me deixe em paz..... só me deixe...... deixe...... só.....  Ele fala enquanto deita na neve desmotivado a continuar seguindo
- Mas você não me amava? Não tinhamos feito juras e mais juras? Haskel, você sabe o quanto te amo. E... Eu preciso... De você...
— Você não sabe o quanto eu quis a encontrar, jogar tudo para cima e viver ao seu lado.....  Se fosse uma eternidade ao seu lado eu morreria feliz...... mas eu estou só......  EU NÃO QUERIA MORRER!  Ele grita enquanto continua chorando na neve.
- Mas você não está só, Haskel. Um calor imensurável, mas ainda prazeroso, tocou o pescoço de Haskel de uma forma leve e úmida. Uma mão tocou-lhe o ombro e algo leve como a seda mais cara aconchegou-se em seu ombro. O cheiro do perfume que a amada de Haskel usara no dia da despedida pôde ser sentido pelo garoto.
- Mas você não está só, Haskel. Um calor imensurável, mas ainda prazeroso, tocou o pescoço de Haskel de uma forma leve e úmida. Uma mão tocou-lhe o ombro e algo leve como a seda mais cara aconchegou-se em seu ombro. O cheiro do perfume que a amada de Haskel usara no dia da despedida pôde ser sentido pelo garoto.
- Eu estou aqui. Disse a voz, suavemente no ouvido de Haskel.
Ele apenas olha para ela enquanto se jogava nos braços dela, poderia morrer ali mesmo ao lado ela.  — Amor.....  oque me matou? Foda-se oque me matou..... por que você esta aqui?
- O que te matou foram os que você precisa estar longe, Haskel. E eu estou aqui porque você precisa de mim. Não vim aqui sozinha, Dana enviou-me.
— Sempre rezei para Dana, oque um simples mortal como eu pode fazer?  Fica abraçando ela enquanto a sua vontade era de não a largar, buscando aconchego na morte, iria a perder novamente e sentia isso....
- Muitas coisas, meu amor. Muitas coisas. Veja, eu, uma mera mortal, busquei-te da morte. Não é mesmo?
— Você sempre foi talentosa, melhor que eu em tudo....  Se a deusa Dena tem uma utilidade para min, eu irei a servir  da melhor forma.


Última edição por leonirisos em Seg Abr 25, 2016 12:03 pm, editado 1 vez(es)
avatar
leonirisos
Admin

Mensagens : 109
Data de inscrição : 10/07/2015
Idade : 25

Ver perfil do usuário http://rpg-fma.rpggameplay.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3 - A separação - Haskel

Mensagem por leonirisos em Dom Abr 24, 2016 10:50 pm

- Haskel, todos nós podemos ser úteis aos deuses. Veja, eu nem sou uma seguidora dos deuses, jamais aprendi ou entendi as vontades de Dana e, ainda assim, estou ajudando-a em um propósito maior. Nós só devemos, Haskel... Fazer exatamente o que eles querem... Você me entende, amor?
avatar
leonirisos
Admin

Mensagens : 109
Data de inscrição : 10/07/2015
Idade : 25

Ver perfil do usuário http://rpg-fma.rpggameplay.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3 - A separação - Haskel

Mensagem por Haskel Hanko em Seg Abr 25, 2016 11:48 am

— Entendo amor..... Farei oque ela quiser... Oque estiver ao alcance de um homem morto. Só me passe o trabalho...

Ele fala enquanto olha nos olhos da "Panya" fica um pouco mais firme tentando não parecer uma criança que iria se curvar aos inimigos, ele quer servir Dana com todo o seu potencial.
avatar
Haskel Hanko

Mensagens : 42
Data de inscrição : 16/03/2016
Idade : 97
Localização : Inferno

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3 - A separação - Haskel

Mensagem por leonirisos em Ter Abr 26, 2016 6:45 am

[11:53] <Leo> - Mas, meu amor, você não está morto. Nunca esteve... A verdade é que, agora, você está mais vivo do que nunca. Você não está ao meu lado? Ao meu lado tudo não faz sentido?
[11:55] <Amanda Flores> — É bem confuso, Panya.... Seu sorriso é a única coisa que me mantem na sanidade, oque eu devo fazer? Eu quero lhe encontrar novamente... tenho assuntos a resolver... por Dana....
[11:57] <Leo> - Mas nós estamos aqui, nós nos encontramos. Estou ao seu lado e posso te amar a cada segundo que toco sua pele. Você não sente meu calor? A vida dentro de mim?
[11:58] <Amanda Flores> — Sabe.... sempre quis formar uma família com você quando isso tudo passar... parece tão... surreal.... Estou aqui a um ano?
[12:04] <Leo> - Você está aqui tempo o suficiente para se preparar, meu amor. Tudo foi planejado por Dana. Até a hora de minha despedida, que não deve tardar muito. E... As coisas vão passar. Sim, vão passar... Mas pense no agora. Em como é bom você poder me ver e me abraçar, sim. Pense nisso.
[12:04] <Leo> >
[12:07] <Amanda Flores> — Entendo... Lhe acharei quando eu voltar, quando eu estiver pronto eu viverei junto de você. Eu te amo, é oque me motiva a seguir em frente, peço perdão a Dana pelos meus pecados... — Eu falo enquanto dou um suave beijo nela, com as mãos na cintura dela, deixando lágrimas cair dos olhos.
[12:07] <Leo> - Voltar para onde?
[12:08] <Haskel Hanko> — Para o nosso plano.. ou mundo real... não faço ideia de onde eu estou...
[12:10] <Leo> - Meu amor, entenda. Você está aqui. Eu estou aqui. Que diferença faz ser o mundo real ou não? Nós podemos nos amar, e Dana preparou tudo. Apenas viva o agora. Não preocupe-se se com os outros e com as ideias que esculpiram sua índole, apenas viva... o agora, meu amor.... Ela fez uma pequena pausa, e tornou - Você não está gostando de ficar aqui comigo?
[12:12] <Haskel Hanko> — Eu poderia morrer agora ao seu lado... não existe palavras para falar oque eu estou sentindo... Quero ficar ao seu lado para sempre.... Poder te amar.. — Eu falo enquanto me mantenho com as mãos na cintura dela, a olhando nos olhos ainda com lágrimas caindo dos olhos.
[12:15] <Leo> - Pois você não precisa morrer para conseguir isso... Podemos ficar eternamente juntos, apenas precisa fazer o que Dana quer que façamos, meu amor.
[12:16] <Haskel Hanko> — E o farei... Todas as vontades dela ao meu máximo, somente por você e por min devoção a ela. — Fico a olhando um pouco em duvida de oque eu teria que fazer.
[12:24] <Haskel Hanko> — Mas oque eu teria que fazer?
[12:33] <Leo> - Tudo o que Dana deseja, é seu bem. São pequenas coisas, que você fará sem sofrimento nem dificuldades...
[12:33] <Leo> - Você quer ouvir?
[12:34] <Haskel Hanko> — SIm... por você... — Eu falo enquanto fico a olhando nos olhos, entendendo que eu deveria me preocupar menos com muitas coisas que atormentavam minha vida.
[12:35] <Leo> - A primeira de todas, é dar espaço para mim. É só deixar que eu estarei ao seu lado para sempre. Você quer ficar comigo?
[12:36] <Haskel Hanko> — Quero ficar ao seu lado para sempre, mas para isso eu lhe darei espaço, estaremos sempre juntos.... — Ele fala enquanto logo da uns passos para trás e fica a olhando nos olhos.
[12:37] <Leo> - Ótimo. A segunda e última coisa, é me ouvir. Você sabe que queremos o seu bem, me amor. Eu e Dana. Apenas o seu bem... Nós sabemos quem vai fazer bem ou mal a você... Você pode nos ouvir?
[12:39] <Haskel Hanko> — As ouvirei do fundo do meu coração... Seguirei meus instintos....
[12:40] <Leo> - Não, meu amor. Seus instintos podem ser enganosos... Eles podem querer te ferir... Você deve nos ouvir, meu amor.
[12:43] <Haskel Hanko> — Eu vou as ouvir.... Me segurarei.... Pensei em você a cada segundo que eu estive longe... A terei em meu coração para me guiar, assim como tenho Dana.
[12:44] <Leo> - Você não irá precisar se preocupar com isso, estaremos sempre com você.
avatar
leonirisos
Admin

Mensagens : 109
Data de inscrição : 10/07/2015
Idade : 25

Ver perfil do usuário http://rpg-fma.rpggameplay.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3 - A separação - Haskel

Mensagem por Haskel Hanko em Ter Abr 26, 2016 11:57 am

— Entendo amor, sem mais perguntas da minha parte, vamos curtir o momento? faz tanto tempo que eu não lhe vejo....

Ele fala enquanto mantem as mãos na cintura de Panya, com o rosto bem próximo do dela, uma face feliz que aparecia verdadeiramente em poucas vezes, as vezes que ele estava ao lado de sua amada.
avatar
Haskel Hanko

Mensagens : 42
Data de inscrição : 16/03/2016
Idade : 97
Localização : Inferno

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3 - A separação - Haskel

Mensagem por leonirisos em Ter Abr 26, 2016 8:08 pm

Mais algumas palavras e carinhos foram trocados. Segundos depois, os dois estavam nus e se amaram sem limites. As roupas, jogadas sobre a neve gelada, serviu-lhes, perfeitamente, como a mansão que precisavam naquele momento.

Após isso, adormeceram. Mesmo em sonho, os dois estavam juntos; talvez, para sempre.

(...)


- Haskel, meu amor, acorde.
avatar
leonirisos
Admin

Mensagens : 109
Data de inscrição : 10/07/2015
Idade : 25

Ver perfil do usuário http://rpg-fma.rpggameplay.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3 - A separação - Haskel

Mensagem por Haskel Hanko em Ter Abr 26, 2016 8:16 pm

Haskel passa momentos perfeitos junto de sua amada, haviam dormidos de uma forma bem fofa, queria ela para sempre assim como eles ficariam. Acordava com a voz de Panya, com ela ao seu lado ele nunca teve pesadelos, com um sorriso de felicidade ele acorda e se vira para olhar para ela.

— Bom dia, amor.. dormiu bem?
avatar
Haskel Hanko

Mensagens : 42
Data de inscrição : 16/03/2016
Idade : 97
Localização : Inferno

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3 - A separação - Haskel

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum